Arte, natureza e história na nova campanha da Belmond no Brasil

O bailarino Thiago Soares protagoniza filme-manifesto gravado no Belmond Copacabana Palace e Belmond Hotel das Cataratas

 

Foto: Divulgação

Mover. Emocionar. Impressionar. A nova campanha da Belmond no Brasil, Commovere (em latim, mover fortemente, causar emoção viva e impressionar-se), faz aflorar todos os sentimentos provocados pela beleza da dança, pela história e pela natureza. Protagonista do filme-manifesto da campanha, o bailarino Thiago Soares leva a fluidez de seus movimentos para as duas propriedades do grupo no Brasil, o Belmond Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, e o Belmond Hotel das Cataratas, único hotel localizando dentro do Parque Nacional de Foz do Iguaçu, no Paraná. A campanha foi lançada oficialmente no último dia 1.

No momento em que as portas do mundo começam a se reabrir e a experiência de sair de casa torna-se possível, a campanha instiga o viajante: se você pudesse viajar, iria para um lugar cheio de histórias ou para um que estivesse entre as sete maravilhas da natureza? Diretora-geral da Belmond no Brasil, Andréa Natal conta que a ideia foi combinar sonho e realidade, arte e rua, movimento e silêncio, contradições e complementaridades da vida mais expostas durante a pandemia. “A campanha traz todos esses elementos unidos: a vibrante energia do carioca, a brisa do mar, o pôr-do-sol dourado, a Mata Atlântica, as Cataratas do Iguaçu, o som dos pássaros, essa inigualável natureza”, lista Andréa.

Estrela da dança mundial, tendo sido primeiro-bailarino do Royal Ballet de Londres, Thiago narra esta história por meio de sua coreografia. Ele voltou ao Brasil depois de 20 anos no exterior, justamente em meio à pandemia, e então encontrou um propósito para dançar. “O filme partiu de encontrar um motivo para fazer o que faço. E isso passava por escolher onde eu dançaria e por que”, explica ele. “Eu começaria dançando num lugar como o Copa, na minha cidade, de onde vim, e trazendo a mensagem não só de rever a nossa dança, mas de repensar as nossas prioridades, o que realmente importa. Brincando, mas de uma forma mais reflexiva, para ganharmos forças para seguir”, completa Thiago, natural de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, e criado no bairro de Vila Isabel. Esta foi a primeira “apresentação” depois de sua despedida profissional dos palcos, em fevereiro.

 

Foto: Divulgação

Enquanto os teatros continuam fechados ou inaptos para receber espetáculos e as rotinas dos profissionais da área ainda não foram integralmente retomadas, os hotéis Belmond – antes de reabrirem as portas no dia 20 de agosto – viraram mais que palcos especiais para a aventura de Thiago: no filme suas histórias se entrelaçam. Com 97 anos, o Belmond Copacabana Palace recebeu o bailarino em seus tradicionais salões Nobre e Golden Room. Já o Belmond Hotel das Cataratas, no ano de comemoração de seus 62 anos, ofereceu sua varanda com inigualável vista para as Cataratas do Iguaçu e o Bar Tarobá para serem cenários da dança. “Copa e Cataratas têm a cara do Brasil e referências como o Deus Sol, protagonista maior, e a água, algo meio selvagem, que vem para lavar nossas almas”, define Thiago.